Nada do débito e Sentimentos diversos

Pois é. Ainda na tentativa de controle da ansiedade, aguardo o débito da taxa do federal.

Interessante é que é um valor caro para um processo no qual eles também precisam de nós. Mas sempre pensamos que vale a pena.

No último mês tive uma melhoria profissional considerável. Apesar da quantidade de trabalho estar alucinante nessa reta final de ano, o salário e o prestígio dentro da empresa melhoraram devido a algumas ocorrências e melhorias que fiz. Inclusive o bônus de natal que vai vir nem era esperado !

Essas coisas me fizeram pensar … Sei que buscamos outro modo de vida, mas nesse mês que passou, acabei fazendo diversos gastos que também melhoraram (ao menos) o astral das crianças. Uma festa super legal de aniversário do poussin-fils que foi muito bem falada na escola e um presente top que ele precisava e curtiu demais. Se eu estivesse recomeçando a carreira, provavelmente seria impossível conseguir isso no Canadá. Parecem ser coisas bobas, mas fazem parte da estrutura emocional da família, com certeza.

A questão do poder aquisitivo ter melhorado esse ano é um fator que pesa. Nada a ponto de me fazer desistir de emigrar em busca de qualidade e vida e não somente recursos financeiros para viver em uma gaiola. Mas com certeza isso faz pesar o coração: será que poderei ofertar as mesmas coisas as crianças ?

E profissionalmente ? Aqui sou um profissional bem sucedido, com experiência e reconhecido nos locais relacionados ao meu trabalho. Para alguns, já sou referência do ramo. No Canadá ? Isso não será possível por um bom tempo. Sei disso porque o meu forte é a linguagem. Escrevo, disserto e faço acontecer através das palavras e dos fatos. E até eu me comunicar desta maneira em francês, sei que levará muito tempo, SE eu conseguir. Perderei o meu maior ponto forte profissional.

Alguns podem perguntar: “mas você está pensando nisso só agora ?”. E eu respondo: “Não, é claro”. Pensei muito sobre isso no começo, mas as reviravoltas profissionais aconteceram esse ano e eu pensei e re-pensei. Essa decisão tem que ser acertada, pois não é brincadeira.

De qualquer maneira, o plano continua. Nós queremos ir. O peso da busca de qualidade de vida e tranquilidade pesa muito. A situação atual brasileira realmente anima a ir embora, por melhor que seja minha condição financeira hoje.

Acho que esse é um dos exercícios para termos sucesso na imigração. Pesar e medir todas as decisões com racionalidade e ponderação. Não pode ser uma coisa impulsiva.

Por outro lado, a falta de notícias do CIC sobre o processo Federal desanima. Me lembra diversas autarquias brasileiras e o desrespeito com o cidadão brasileiro.

Bem, foi só um desabafo mesmo. Queria só passar a mensagem que estamos firmes no processo, mas com a certeza que abriremos mão de muita coisa. Por hora, essa é nossa determinação. Afinal, imigrar é um processo de paciência, não é ?

Anúncios